Ibiporã

Postado dia 29/04/2013

Secretaria de Saúde intensifica ações de combate à dengue

Ao contrário do que muitos possam pensar, o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, também se reproduz em baixas temperaturas. Basta encontrar o fator propício para a sua proliferação: água parada. “A dengue acontece em qualquer tempo e lugar, pois os ovos têm um ciclo de vida que pode durar 500 dias na natureza, ou seja, cerca de um ano e cinco meses.  Portanto, o combate à dengue deve seguir o ano todo”, explica a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Sebastiana Riechel.

O Comitê de Combate à Dengue realizou mais uma reunião para estudar a incidência da doença em Ibiporã, além de avaliar e discutir ações de controle e combate ao mosquito transmissor da dengue. Segundo a última planilha semanal de monitoramento de dengue, os números são preocupantes. Até quinta-feira (25), Ibiporã havia registrado 810 notificações, sendo 176 casos confirmados (3 importados e 173 autóctones, ou seja, contraídos no próprio município).

Nas últimas semanas houve um aumento expressivo de notificações – de 89 para 166 entre a 14ª e 15ª semana. O índice de incidência já está em 262,67 por 100 mil habitantes, e o de infestão predial – 5,00 (alto risco), o que configura situação pré-epidêmica de dengue. “O ano passado tivemos uma situação tranqüila na cidade, com apenas 10 casos confirmados. Este ano, já são 129 e teremos mais positivações. O Jardim Pérola e Centro são as regiões mais preocupantes. Tivemos uma quantidade atípica de chuvas em fevereiro e a combinação de calor e água parada cria um local perfeito para a reprodução do mosquito”, aponta o prefeito José Maria Ferreira.

A secretária municipal de Saúde, Leilaine Furnaleto, ressalta que desde os primeiros casos foram confirmados o trabalho foi diário e as visitas aos domicílios permanentes para manter a cidade longe de uma possibilidade de uma epidemia. Nos últimos 10 dias, 60 agentes de endemias estiveram envolvidos em ações de combate ao mosquito por toda a cidade. “Fizemos um trabalho de remoção mecânica dos criadouros, aplicação de veneno nos quintais das casas e pulverização com fumacê, além campanha de conscientização com os alunos das escolas municipais”, pontua a secretária municipal.
 
“O município tem utilizado todos os seus recursos, pessoais e de infraestrutura, para tentar vencer a dengue. No entanto, por mais qualificados que estejamos o combate é duro e não dá para cair apenas nas costas da Administração. Peço a você, cidadão, que nos ajude a combater este inimigo cuidando do seu quintal, evitando o acúmulo de água em recipientes e destinando corretamente o seu lixo”, orienta José Maria.

Em vista do aumento expressivo de casos, o Comitê de Combate à Dengue deliberou pela intensificação das ações nos bairros com maior incidência da doença. “Vamos prorrogar o mutirão até o final da próxima semana, convocando servidores para reforçar o trabalho de remoção dos criadouros e aplicação do veneno. Teremos três caminhões para fazer o fumacê, além do reforço também da UBV costal, que tem mais eficácia que a pesada (fumacê)”, informa Leilaine. “Queremos contar também com os voluntários da Defesa Civil para que as informações cheguem a toda a cidade. São mais de 20 mil residências que estão sendo vistoriadas. Esperamos que com estas novas ações consigamos controlar a situação”, completa o prefeito.

A administração solicita que os moradores colaborem facilitando o acesso dos funcionários aos imóveis, abrindo as janelas e cobrindo gaiolas de pássaros e alimentos porque o veneno é forte.




15 passos para evitar a dengue em sua casa

01 – Limpe a piscina uma vez por semana, trate a água com cloro e cubra quando não for usar. Se estiver vazia, não deixe acumular água no fundo;
02 – Quando for trocar a água, lave bem os suportes dos garrafões de água mineral;
03 – Feche bem os sacos plásticos e mantenha a lixeira tampada. Evite, também, acumular lixo e entulho;
04 – Veja se todos os ralos da casa estão desentupidos, fechando-os quando não estiverem sendo usados;
05 – Lave a vasilha de água dos animais pelo menos uma vez por semana com água corrente, bucha e sabão;
06 – Jogue no lixo tudo o que acumula água. Ex.: tampas de garrafas, cascas de ovos, latas, copos descartáveis, plástico de cigarro, etc;
07 – Garrafas e baldes vazios devem ser guardados de cabeça para baixo;
08 – Pneus velhos devem ser entregues ao serviço de limpeza urbana ou guardados em local coberto;
09 – Na geladeira, retire a bandeja externa e lave-a com água e sabão;
10 – Mantenha a tampa dos vasos sanitários sempre fechada;
11 – Tonéis e depósitos de água devem ficar sempre fechados e serem lavados com bucha e sabão;
12 – Se o seu muro é protegido com cacos de vidros, coloque areia naqueles que podem acumular água;
13 – Evite plantas que acumulam água, como as bromélias. Sempre coloque areia nos pratos de todos os vasos de plantas;
14 – Tire folhas, galhos e tudo que possa impedir a passagem da água pelas calhas;
15 – Deixe sempre a caixa d’agua fechada.
(Fonte: Secretaria Municipal de Saúde)

Copyright © 2010 - 2019 | Revelia Eventos - Cornélio Procópio - PR
Desenvolvimento AbusarWeb.com.br